DTCEA-FZ implementa destilador de água que gera economia e melhoria de performance

A infraestrutura de radiodeterminação, telecomunicação e de auxílios à navegação aérea do SISCEAB instalada no DTCEA-FZ, requer estrutura de alimentação de energia.

Em vista disso, visando atender situações contingenciais, toda a infraestrutura necessita de suportes paralelos de alimentação de energia para as degradações, nos casos de perda ou variações da energia comercial da concessionária.

Assim, como alternativa frente às degradações, o DTCEA-FZ dispõe de bancos de baterias, que carecem, em suas manutenções periódicas, da reposição de água destilada para a preservação do nível dos eletrólitos.

A aquisição de água destilada pode ser feita por diversos modos. Um deles seria a compra. No entanto, o custo seria considerável, visto que envolveria, além dos procedimentos administrativos, valores financeiros e de logística para atender todos os Destacamentos subordinados ao Terceiro Centro Integrado de Defesa Aérea e de Controle de Tráfego Aéreo. Tal procedimento inviabiliza a aquisição por meio da compra.

Outra maneira seria a de, efetivamente, produzir água destilada. E o DTCEA-FZ sempre produziu e continua produzindo. O DTCEA-FZ possuía um destilador convencional, equipamento utilizado nos mais diversos laboratórios que necessitam de água com elevado grau de pureza e com baixo teor de sais. O processo de destilação se dava por aquecimento e posterior resfriamento da água proveniente de um reservatório. O remanescente de água, após o resfriamento, embora fosse água potável, era descartado.

A necessidade do Destacamento gira em torno de 60 a 80 litros por mês. Diante desse cenário, produzindo a água destilada de que necessitava, usando métodos convencionais, o DTCEA-FZ incorria em desperdício de água potável, na produção da água destilada, nos seguintes termos: para cada 1 (um) litro de água destilada produzida, perdia-se 50 (cinquenta) litros de água potável. O “modus operandi” consiste de um operador da Casa de Força (KF) posicionar um reservatório de água, na saída de uma máquina de destilação e ficar acompanhando todo o processo, pois como o controle da destilação é manual, aquela máquina fica destilando, indefinidamente, até que o operador da KF interfira e encerre a destilação.

Era justamente nesse processo que o DTCEA-FZ, para produzir os 60 a 80 litros, desperdiçava água potável, cujo montante mensal, girava em torno de 3.000 a 4.000 litros. 

Vale salientar o fato de que todos os Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo agem de modo similar, ou seja, processam a destilação de água manualmente. Da parte da equipe de técnicos da Casa de Força havia anseio em minimizar aquele impacto ambiental, mas, faltavam-lhe recursos os mais diversos.

Ocorreu que, no final do mês de maio de 2016, a Empresa de Suporte Logístico IACIT Soluções Tecnológicas S/A, contratada para
prestar serviços na KF do DTCEA-FZ, juntamente com os Técnicos da Subseção de Eletromecânica da ST-FZ, SO SEM Maranguape (Fig. 2), SO SEL Barbosa e 1S SEL Viegas resolveram implementar e automatizar o processo de destilação da água. 

Após a implementação feita pela IACIT e pelos Técnicos da Subseção de Eletromecânica do DTCEA-FZ, o processo de destilação, passou a ser cíclico, ou seja, não há mais desperdício de água. Foram instalados reservatórios sensorizados que captam toda água que antes era desperdiçada e essa água retroalimenta o processo da máquina de destilação.

Ademais, foram instalados reservatórios com sensores que controlam a produção de águadestilada, bem com foram instalados, também, serpentinas para o resfriamento da água que retroalimenta o sistema de destilação.

Este resfriamento permite um melhor rendimento do destilador e, consequentemente, com a diminuição da temperatura de trabalho, há economia também no consumo de energia elétrica. 

Este equipamento encontra-se instalado na sala de climatização do radar LP-23. Com isso, conclui-se que evitando desperdício de água potável de outrora, daria para atender o consumo de uma família de 4 a 5 pessoas por uma semana. O sistema ora implantado no DTCEA-FZ permite produzir água destilada inclusive até para atender as necessidades de esterilização do material de instrumentação médica do hospital da BAFZ.

Comparando-se a produção atual, automatizada, e aqueloutra manual, concluise que não há desperdício de água potável, não há a necessidade da vigilância de um técnico durante o processamento, e o custo financeiro equiparado é zero.

Segundo o Eng. Ednardo, encarregado da empresa IACIT, que prestou serviço ao DTCEA-FZ até 31 de maio de 2016, a IACIT é uma empresa que está comprometida com a sustentabilidade ambiental e sempre buscará, através de seu corpo técnico, a melhoria e o aprimoramento dos processos. O Encarregado da Subseção Eletromecânica, SO SEM Maranguape, afirmou também que sempre buscou realizar este tipo de inovação, sendo que, com o aporte de recursos da IACIT e o apoio de pessoal, foi vital para a viabilização deste aprimoramento no sistema de geração de água destilada de, bem como outras melhorias nos equipamentos e sistemas da KF-FZ.

A economia de 3.000 litros de água no DTCEA-FZ pode não parecer considerável. Contudo, imaginemos, então, diante da atual condição de escassez de água potável no planeta, a multiplicação daquele valor desperdiçado pelo número de Destacamentos que dão suporte ao SISCEAB, e que utilizam destiladores convencionais para a produção de água, é extremamente relevante. Fato que demanda ações paradigmáticas visando à economia de um bem tão precioso como o é a água potável. A própria ONU (Organização das Nações Unidas) afirma que cada ser humano necessita de 110 litros de água potável por dia para atender as necessidades de consumo e higiene.
Todo esse empreendimento vai ao encontro do que preconiza o Comandante do DTCEA-FZ através da Instrução de Serviço IS nº 056/DTCEA-FZ a qual estimula práticas como a implementação de melhoria necessária, melhoria valiosa e melhoria superficial. No caso em tela, o DTCEA-FZ empreendeu melhoria valiosa, conforme definição, a seguir, contida no item 2.3.3 da referida IS. “2.3.3 A melhoria valiosa aumenta o valor (serviço ou produto mais coerente, menos variação em um processo, novo equipamento resultando em maior
eficiência, mudanças de software, cimentação de calçada, ampliação de instalação, etc)”.

Essa melhoria valiosa no processo de destilação da água no DTCEA-FZ é uma ação inovadora à qual a IS nº 056/DTCEA-FZ, que trata sobre o Destaque Qualidade do DTCEA-FZ visa revelar, ou seja, apontar aqueles profissionais que possuem como norte em suas condutas técnico-profissionais o inconformismo positivo.

Para outras informações fale conosco